Escolha uma Página


A hipermobilidade articular é uma causa importante e muitas vezes esquecida no paciente com dor crônica. É definida como uma condição na qual a maioria das articulações sinoviais possui uma amplitude de movimento maior que os limites normais, levando em consideração a idade, o gênero e a etnia do indivíduo.⠀

📊 Atinge cerca de 5 a 30% da população (a depender do país de estudo), principalmente mulheres descendentes de africanos ou asiáticos. É mais vista em crianças e jovens e vai diminuindo de intensidade ao longo dos anos.⠀

Pode ser herdada geneticamente ou adquirida através de anos de treinamento e alongamento, como visto em bailarinas e ginastas. Além disso, a hipermobilidade também pode se desenvolver nas doenças do tecido conjuntivo – Síndrome de Marfan, Síndrome de Ehlers-Danlos, Osteogênese Imperfecta.⠀

A hipermobilidade predispõe a uma ampla variedade de lesões dos tecidos moles e distúrbios articulares internos crônicos, como artralgias ou mialgias, que levam os pacientes a procurar atendimento médico.⠀

⭐ É muito importante divulgar essa alteração do sistema conjuntivo para facilitar o diagnóstico precoce e trazer o máximo de qualidade para a vida do paciente.⠀


#fisiatriabrasil #fisiatra #fisiatria #fisiatriadf #angellejacomo #dor #espasticidade #fisiatriabrasilia #tratamentodador #dorcronica #fibro #fibromialgia #tratandoador #miofascial #dormiofascial #SED #hipermobilidade
#medicinafuncional #dorbrasilia #mesoterapia #ondasdechoque #angellejacomofisiatra #medicinafisicaereabilitação #medicinafisica #nopain #qualidadedevida #medicinaintegrativa #tratandoopacienteenaoadoenca #amooquefaco🏃🏻‍♂️🤸🏻‍♂️♿🇧🇷

Share This