Escolha uma Página


Recentemente (2018) Berridge propôs um outro papel da vitamina D, desta vez na depressão. O excesso de glutamato estimula o receptor neural NMDA, permitindo maior afluxo de cálcio para o citoplasma, uma ação estimulante.⠀

Devido à excessiva toxicidade, o cálcio fica armazenado no retículo endoplasmatico e é liberado de acordo com o metabolismo celular, pois seu excesso pode causar morte neuronal. ⠀

O papel da vitamina D nesse contexto é exatamente controlar a disponibilidade de cálcio intracelular, evitando assim sua toxicidade.⠀

Sempre será necessário avaliar a 25(OH)D em indivíduos depressivos.⠀

Muitos novos aspectos terapêuticos da vitamina D, provavelmente, ainda serão descritos no futuro. Ainda em relação aos estados depressivos e hipovitaminose D, foi constatada a sua importância na ativação da enzima Triptofano hidroxilase, enzima fundamental na síntese da serotonina a partir do aminoácido triptofano.⠀

Esse fato explica uma antiga evidência da ocorrência de maior suicídio em países com menor taxa de exposição ao sol (Escandinávia), quando comparado com países tropicais, agravada no período de inverno.

Share This